Skip to main content

Parecia, não parecia? Mas já que aqui estás... Somos um colectivo de poucos. Semeamos ideias e colhemos resultados. Acreditamos em soluções que vingam à boleia de estratégias. Fazemos da liberdade de expressão bandeira e vivemos para simplificar processos.

Notícias

Bem-vindos ao mundo encantado do freemium

By 22 de Março, 2021Agosto 25th, 2021No Comments

31.03.2021. MARKETING

Bem-vindos ao mundo encantado do freemium

Sara Alves
Account Manager & Copywriter

É possível que nunca tenham ouvido o termo, mas é muito provável que já tenham tropeçado no freemium. Pessoalmente, não só tropecei como acabei por transformar numa conversão, um belo termo do Marketing Digital.  

 

O freemium surge da aglutinação de dois termos – free (gratuito) e premium (de qualidade superior) – e é um modelo de negócio cuja estratégia passa por oferecer um produto ou serviço digital gratuito no seu plano base, mas que passa a ser pago a partir do momento em que o utilizador quer usufruir de funcionalidades extra. 

 

Se o utilizador quiser manter as características base do plano, continuará a utilizar o serviço sem qualquer problema, mas este modelo de negócio, tal como o próprio nome indica, quer fazer prosperar um negócio, e, como tal, é desenhado para que quem utiliza passe para o plano seguinte – a versão premium

 

A estratégia deste modelo, que começou a ser utilizado por empresas de software a partir da década de 80, é simples: atrair um grande número de pessoas para um serviço gratuito, esperando que uma parte destas acabe por se render ao produto pago – por norma, 5% dos utilizadores com serviço pago acabam por “sustentar” todo o modelo de negócio; qualquer valor acima disto, é visto como um sucesso. 

 

O mecanismo é simples: atrair, conquistar e converter

 

As empresas fornecem o serviço gratuito mas, durante a experiência de utilização, fazem questão de dar a conhecer as funcionalidades premium do mesmo serviço, tentando encaminhar o utilizador para a compra.  

 

Tudo isto poderá parecer muito técnico e abstrato, mas se vos falar do caso específico do Spotify – onde acabei por me tornar numa conversão – ou na Dropbox, este modelo passa a fazer mais sentido. 

 

O exemplo de sucesso do Spotify

 

A empresa sueca de streaming de música tem visto crescer de forma sustentada os seus utilizadores pagos. A base de utilizadores premium aumentou drasticamente nos últimos anos e mais do que duplicou no início de 2017. 

 

No quarto trimestre de 2020, o Spotify somava 155 milhões de utilizadores pagos em todo o mundo, mais 31 milhões do que no mesmo período homólogo de 2019, segundo dados da Statista. Importa ainda dizer que o Spotify, onde o freemium parece funcionar, foi o primeiro serviço de streaming de música a chegar aos 100 milhões de utilizadores pagos.

 

De acordo com os números revelados pela mesma fonte, também a Dropbox parece prosperar à boleia desta estratégia: o serviço de cloud para armazenamento e partilha de ficheiros revelou ter 15,5 milhões de utilizadores pagos em 2020, um milhão a mais do que no ano anterior e quase nove milhões de utilizadores a mais quando comparado com o mesmo período em 2015. 

 

Claro que esta estratégia não é indicada para todos os negócios e mesmo naqueles onde assenta como uma luva, é bastante provável que comece por não dar grandes frutos, podendo até dar prejuízo durante longos e penosos anos. 

 

Trata-se de um caminho onde a empresa começa por dar alguma coisa esperando que, no futuro, chegue o retorno. Além do Spotify e da Dropbox, também o Skype, o Mailchimp e o Evernote alicerçam a sua atividade neste modelo. 

 

Nem sempre nos apercebemos que o Marketing Digital tem uma presença tão forte no nosso dia-a-dia e nas decisões que vamos tomando até nos aspetos mais simples, como a plataforma que usamos para ouvir música enquanto trabalhamos. 

 

Paradoxalmente, é isso que o torna tão poderoso e eficaz.